terça-feira, 4 de novembro de 2008

[retorno poético] De volta

s4br 2008©

Verão em Havana, Cuba: cultura, calor e mojitos!

MEU pensar me disse muito, de dentro, do âmago, do fundo,
A alma grita, pede o novo, não se contem,
A mente vacila, quer a lógica, não se reprime,
O corpo claudica, espera a mudança, não se detém.

Males crônicos, escolhas trágicas,
Situações cômicas, repetições dramáticas,
Atuações patéticas, atrações pífias,
Entonação ríspida, reações estúpidas.

Deixei se ser sujeito, objeto direto ou indireto,
Dum verbo transitivo, mas que teimava em intransigir,
De primeira pessoa que conjugava, nem no singular, nem plural,
Tornei-me um sujeito oculto, talvez indefinido.

Entretanto, quando presumido morto, falecido,
Eis que das espumas do mar, das ondas, do vento,
Da fina areia e do denso mangue, retorno, retomo e declaro:
"Eis a minha volta, pois não há mais porque ir".

2 comentários:

Tigresa disse...

Seja bem vindo de volta!

Esperávamos sua alma gritar, esperamos seus olhos voltarem a brilhar.

Obrigada, por escolher ficar.

MilfordMaia disse...

Só tenho a agradecer, a você e a todos que nunca me deixaram só.

Brilho no olhar, eis a magia da vida!

Forte abraço!